[Fev/20] [ESTENDER + 1000] Conheça a importância do acompanhamento médico

acompanhamento medico
12 minutos para ler

Manter a saúde em dia é uma tarefa que deve ser feita regularmente e envolve desde cuidados com a alimentação e exercícios físicos, até visitas regulares a um profissional de saúde.

Para otimizar o acompanhamento médico é interessante manter o profissional, pois, assim, ele pode ter uma noção holística do estado de saúde do paciente e verificar se houve mudança em algum exame, como de colesterol e glicemia, devido à adoção de hábitos mais saudáveis.

Essa tarefa pode ser comprometida na ausência de um plano de saúde, pois sem ele a consulta fica dependendo da disponibilidade financeira do paciente, bem como das flutuações dos preços de consulta do próprio médico.

Para evitar que isso ocorra, o acompanhamento médico com o mesmo profissional é facilitado por meio do plano de saúde que permite agendar consultas e adequar os melhores horários tanto para médico quanto para o paciente, otimizando as informações e melhorando o tratamento de doenças e diversos problemas de saúde. Confira agora estas e outras vantagens e também os exames mais pedidos pelos médicos em um check up!

Vantagens do acompanhamento médico

São inúmeras as vantagens do acompanhamento médico com a check-up anual. Conheça algumas delas!

Aumento da confiança entre médico e paciente

Ao consultar o mesmo profissional é estabelecido um vínculo de confiança que permite maior abertura para esclarecimento de dúvidas e compartilhamento de informações que podem ser delicadas para o paciente.

Essa transparência favorece a troca de informações confiáveis, sem que haja medo de julgamentos ou constrangimentos, garantindo que o paciente possa expor sua realidade, assim como maior confiança do médico em relação ao que está sendo relatado.

Dessa forma, ambos os lados saem ganhando: o paciente tem um ambiente seguro e o médico tem a garantia de receber respostas confiáveis para elaborar um diagnóstico e plano de tratamento mais acertado.

Conhecimento do histórico do paciente

O acompanhamento médico com o mesmo profissional também é fundamental para que as informações sobre o histórico de saúde do paciente não se percam entre as consultas.

Assim, como já foi dito, é possível que o médico acompanhe as mudanças no quadro de saúde, bem como identifique as causas de tais mudanças a fim de traçar o melhor diagnóstico e estratégia de tratamento para propor soluções que se enquadrem na realidade individual do paciente.

Desenvolvimento de boa relação entre médico e paciente

Além de melhorar a confiança entre os dois, outra vantagem é o desenvolvimento de uma relação saudável entre médico e paciente que vai além da confiança.

Essa boa relação permite que as visitas ao médico sejam mais agradáveis para o usuário, facilitando seu retorno e, consequentemente, adesão ao tratamento.

Auxílio na prevenção de doenças

Com o acompanhamento médico em dia é possível, também, prevenir o desenvolvimento de novas doenças por meio da detecção de sinais de alerta em exames rotineiros.

Uma alteração no exame de glicemia, por exemplo, pode indicar um quadro pré-diabético no qual o paciente não exibe sintomas e só pode ser detectado com visitas regulares ao médico, bem como com a realização de exames preventivos.

Melhoria na adesão ao tratamento

O bom relacionamento entre médico e paciente também melhora a adesão ao tratamento, seja ele medicamentoso ou não, pois aumenta a autoconfiança do paciente em relação aos resultados que podem demorar a aparecer.

Em caso de doenças com tratamento mais agressivo ou longo, o acompanhamento médico permite a injeção de confiança no paciente, que recebe não só um suporte técnico, mas também suporte emocional para toda a jornada de cura, favorecendo a adesão ao tratamento.

Afastamento do autodiagnóstico

Uma das principais preocupações ao redor do mundo é o autodiagnóstico e, consequentemente, a automedicação, que leva ao uso irracional de medicamentos.

O uso indiscriminado de antibióticos leva à seleção artificial de microorganismos no corpo humano. Assim, o indivíduo melhora momentaneamente com a diminuição dos patógenos para, logo em seguida, a doença voltar com mais força, pois o antibiótico eliminou apenas os microorganismos sensíveis ao medicamento, enquanto os resistentes permaneceram e se proliferaram.

Isso é particularmente preocupante em casos de doenças infecciosas, ou seja, aquelas causadas por microorganismos, em especial as bactérias, fungos e protozoários.

Avaliação completa do estado de saúde

Um check-up de qualidade precisa investigar a situação de todos os sistemas e órgãos, como um exame clínico geral, inclusive exames complementares. Creatinina, hemograma, eletrocardiograma, triglicérides, colesterol, glicemia, tomografia, mamografia, exames de urina, fezes e teste ergométrico são alguns dos procedimentos que jamais podem faltar para uma avaliação completa.

É de suma importância avaliar seu histórico familiar, histórico de problemas anterior e o quadro clínico de cada paciente. O essencial é realizar essas avaliações regularmente, pois esse é o objetivo dos exames preventivos.

Prevenir e diagnosticar problemas

O acompanhamento e a prevenção de doenças é feito a partir da informação e da implantação de práticas preventivas. Estas compreendem dieta equilibrada, vacinações, adoção de atividades físicas, combate a vícios, como o tabagismo, e orientações relacionadas a realização de alguns exames que podem dar o diagnóstico de certas doenças precocemente, elevando as chances de cura.

São diagnosticadas doenças já existentes, mas que ainda não se revelaram. É o caso dos altos índices de colesterol, do diabetes e da hipertensão arterial, por exemplo. Para tais doenças, é essencial o tratamento, a fim de que a qualidade de vida do indivíduo fique preservada, ocasionando impactos positivos para a sua saúde e evitando pioras.

Diminuição de complicações

Outro fator positivo com o acompanhamento médico regular é a prevenção de complicações, sejam elas de um pós-operatório ou em relação ao medicamento usado.

No caso do tratamento medicamentoso, o acompanhamento médico permite que o paciente diga se houve melhora em relação aos sintomas, bem como relate qualquer efeito colateral que possa aparecer, prevenindo complicações futuras.

No pós-operatório, o acompanhamento médico permite que o profissional avalie se o organismo do paciente está se curando de maneira correta, evitando complicações e possíveis infecções oportunistas que possam aparecer.

Importância do plano de saúde para o acompanhamento médico

Como você pode ver, existem diversas vantagens com o acompanhamento médico com o mesmo profissional que vão muito além de manter um bom relacionamento, mas auxiliam, também, na prevenção de doenças e complicações de procedimentos.

Todas essas vantagens são facilitadas por meio do plano de saúde, que permite que o usuário marque consultas de modo muito mais fácil e direto, sem que haja a interferência dos preços.

Além dos preços, o acompanhamento médico se torna mais simples por meio do uso de aplicativos e outras tecnologias que fazem com que todos os processos burocráticos sejam otimizados, facilitando a vida do paciente, do médico e do hospital, pois todos os documentos do paciente, incluindo o histórico, ficam armazenados em um local só.

Desse modo, o profissional da saúde pode investir seu tempo em construir um relacionamento melhor com o paciente, em vez de focar em procurar o histórico ou repetir perguntas que poderiam ser evitadas caso fosse realizado o acompanhamento médico regular.

Exames mais pedidos pelos médicos em um check up

Hemograma completo

É o conhecido exame de sangue com todos os pedidos para realização do controle de glicemia, hemoglobinas, colesterol, células brancas e vermelhas. Ele faz uma análise do sangue a fim de avaliar o número de hemácias, plaquetas e leucócitos podendo ser diagnosticados distúrbios como doenças infecciosas, anemia, doenças autoimunes e leucemia, entre várias outras.

Normalmente, é realizado uma vez ao ano desde os primeiros anos de vida. É primordial perceber o estado sanguíneo e também do sistema imune, indicando complicações e infecções. Nesse pedido está incluído as análises de urina e fezes.

Exames de fezes e urina

São de suma importância os exames de fezes e urina, pois analisam as principais vias de eliminação do organismo. O exame de urina pode disponibilizar dados relevantes sobre o estado fisiológico do organismo, sobre a existência e evolução de doenças sistêmicas e analisa o estado funcional dos rins.

Já o exame de fezes, avalia o material fecal do paciente com o intuito de analisar a presença de microorganismos, parasitas e possíveis bactérias.

Papanicolau

Esse é famoso preventivo e é específico para as mulheres auxiliando na detecção de infecções bacterianas, virais e por fungos, inclusive avaliar as células pré-malignas do colo do útero — segundo câncer mais recorrente nas mulheres.

É recomendado que ele seja feito regularmente a partir dos 18 anos, independentemente do histórico da paciente e, em algumas situações, pode ser pedida uma ultrassonografia transvaginal para auxiliar na detecção de doenças como endometriose.

Eletrocardiograma

Este é um exame que tem o objetivo de verificar a maneira como o coração está funcionando e apontar possíveis problemas. Normalmente, o médico o solicita após os 40 anos, para analisar o funcionamento do coração do paciente em repouso.

Ele é realizado com a ajuda de eletrodos que averiguam a frequência e os batimentos cardíacos, possibilitando a identificação de alterações de algum bloqueio arterial, falhas nas válvulas, taquicardia, arritmia e outros problemas.

Glicemia em jejum

Esse exame mensura a taxa de glicose (açúcar) no sangue, após um jejum de no mínimo 8 horas. Ele é essencial para detectar a pré-diabetes (entre 100 e 125 mg/dl) — um estado de saúde que pode ser tratado — e a própria diabetes (acima de 126 mg/dl). Inclusive, faz parte dos exames laboratoriais de rotina, sendo solicitada para analisar a eficácia do tratamento para diabetes.

Colesterol e triglicerídeos

Este exame faz a mensuração dos diferentes níveis de gorduras no sangue, possibilitando ao médico realizar o cálculo do risco de bloqueio das artérias devido à formação de placas e de distúrbios cardiovasculares, como AVC e infarto.

Para tal, o exame mensura os níveis de HDL — chamado “colesterol bom” e recomendado acima de 40 mg/dl —, VLDL — “colesterol ruim”, com valores que oscilam de acordo com o risco pessoal de cada paciente —, LDL e colesterol total — somatório de todos os tipos de colesterol e é recomendado até 190 mg/dl.

A mensuração dos triglicerídeos precisa ser solicitada à parte, pois essas gorduras não são medidas juntamente dos outros exames laboratoriais de colesterol. É recomendado que seu valor seja menor que 150 mg/dl.

Ecocardiograma

Por meio da ultrassonografia, ele possibilita a avaliação de toda a estrutura anatômica e do funcionamento do coração. Com a avaliação de imagens em movimento e estáticas, o médico consegue detectar a origem de sintomas como dor torácica, falta de ar e taquicardia, inclusive monitorar a eficiência de tratamentos para disfunções já instalados, como isquemias e arritmias.

Teste ergométrico

Refere-se ao conhecido “teste de esteira” ou “teste de esforço”, que nada mais é que uma avaliação da função cardíaca em movimento. Este é solicitado pelo médico no check-up de indivíduos com risco elevado de infarto e para quem vai começar alguma atividade física.

Ele serve para motivar o máximo de esforço físico supervisionado, em que é possível mensurar a pressão arterial. É, na verdade, um antigo método para apontar alterações no ritmo cardíaco provocadas pelo esforço.

Mamografia

Este exame é a principal metodologia para diagnóstico do câncer de mama em sua fase inicial, elevando as chances de que o tratamento seja um sucesso. O Ministério da Saúde indica que este exame seja realizado todos os anos por mulheres com mais de 40 anos. Todavia, recomenda que mulheres dos 50 aos 69 anos a realizem bianualmente.

PSA

Níveis elevados nos níveis de PSA (antígeno prostático específico) no sangue podem apontar um câncer de próstata e também outras alterações nessa glândula, como o crescimento causado pelo avanço da idade ou uma inflamação.

Para homens que apresentam fator de risco para esse câncer, como obesos, negros ou com parentes de primeiro grau com histórico da doença, é recomendado a realização da dosagem de PSA após os 45 anos. Para os outros, depois dos 50. A sua frequência varia de um a quatro anos de acordo com a avaliação médica.

Assim, o plano de saúde é um grande facilitador na construção dessa relação de confiança mútua, pois permite que o médico entenda a realidade do paciente a fim de traçar o melhor plano de acompanhamento médico, prevenindo doenças, complicações e, além disso, auxiliando na adesão ao tratamento.

Gostou das informações contidas aqui? Aproveite para ficar mais bem informado e leia também o texto “Top 5 Melhores hábitos para você envelhecer com saúde“!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-