Você sabe o que é psoríase? Entenda aqui!

6 minutos para ler

Você sabe o que é psoríase? Esse nome pode não ser muito familiar para algumas pessoas, mas essa doença crônica toma conta da pele de aproximadamente 2 milhões de pessoas todos os anos só no Brasil. Geralmente, quem apresenta essa doença acaba enfrentando uma situação muito mais complicada do que os sintomas que a enfermidade proporciona: o preconceito.

É de extrema necessidade alertar e conscientizar as pessoas sobre a realidade da doença. Mas o que você conhece sobre essa patologia?

Há diversas dúvidas em relação a esse problema que devem ser respondidas, por esse motivo preparamos este post para você. Acompanhe!

O que é psoríase?

A psoríase é uma doença inflamatória da pele, não contagiosa e autoimune. É muito comum e identificada pelas lesões descamativas e avermelhadas, especialmente nas unhas, mãos, pés, couro cabeludo, região genital, joelhos ou por todo corpo.

O tamanho da psoríase vai de pequenas lesões mais localizadas até cobrir toda a pele. Devido ao fato de ser uma doença autoimune, ela faz com que o organismo ataque a ele mesmo — e esse ataque pode ser frequente. O fato é que ela não é uma doença que aparece repentinamente na pele.

Por mais que sua causa não esteja totalmente esclarecida, seu surgimento é ligado à genética e à queda do sistema imunológico — isto é, caso alguém da sua família tenha o problema, você terá grandes chances de desenvolvê-la.

Quais os tipos existentes?

Conheça agora os tipos de psoríase que existem!

Placas ou Vulgar

Esse tipo de psoríase apresenta como principal sinal o surgimento de placas avermelhadas na pele, revestidas com escamas prateadas ou esbranquiçadas, que muitas vezes doem e podem até sangrar. Por mais que sejam mais comuns no couro cabeludo, cotovelos e joelhos, as lesões podem afetar qualquer área do corpo.

Nos casos considerados mais graves, as regiões plantares e palmares e até mesmo o rosto podem ser atingidos. Esse é o tipo mais comum de psoríase e representa cerca de 90% dos casos.

Invertida

Essa psoríase acomete regiões úmidas da pele, como virilha, axilas e embaixo da mama. Ela produz lesões avermelhadas, mas sem escamas. Os sintomas podem se agravar com o atrito da pele e suor.

Gutata

Esse tipo ocasiona pequenas e numerosas lesões com formato de gotas. Ele normalmente surge nas pernas, nos braços, tronco e couro cabeludo, sendo provocada por infecções bacterianas.

Ungueal

Essa psoríase atinge as unhas dos pés e das mãos. A doença afeta as unhas a ponto de elas se soltarem ou esfarelarem.

Powered by Rock Convert

Pustulosa

Essa é identificada pouco tempo depois de a pele ficar vermelha, pelo surgimento de vesículas ou bolhas de pus não infeccioso. É um tipo de psoríase mais raro que pode ocasionar fadiga, coceira intensa, febre e calafrios.

Eritrodérmica

Essa psoríase é a menos comum e é caracterizada por uma vermelhidão generalizada. Os seus sintomas geralmente são ocasionados devido a agressões à pele, como queimaduras, pela interrupção repentina no uso de medicamentos, infecções ou por não tratar outro tipo de psoríase.

Quais as causas e os fatores de risco da psoríase?

A psoríase é uma doença multifatorial, isto é, são necessários inúmeros elementos agindo juntos para o seu aparecimento. A hereditariedade é a sua principal causa. Grande parte dos pacientes com essa enfermidade tem alguém na família afetado por ela, e pessoas sem esse diagnóstico, mas com parentes acometidos pela doença, têm mais chances de desenvolver a psoríase.

Portanto, há uma tendência genética para que ocorra o seu desenvolvimento. Em indivíduos geneticamente predispostos, são necessários muitos elementos para desencadear a doença ou agravá-la.

Um outro aspecto fomentador muito conhecido é o estresse emocional, por essa razão, comumente a psoríase é tida como essencialmente emocional, o que é mentira, pois o estresse é somente um dos fatores desencadeantes. Porém, a diminuição da ansiedade é indispensável para o controle da patologia.

Algumas ações que ajudam a conviver com a doença é conhecer o assunto e deixar os preconceitos de lado, fazendo com que o estresse por ela provocado diminua. Não podemos nos esquecer de citar traumas físicos, eles também podem provocar a psoríase.

É bastante comum o aparecimento de lesões em regiões do corpo que foram submetidas a traumas, como queimaduras e tatuagens. Lembrando que a exposição exagerada ao sol pode piorá-las. Além disso, pessoas que fumam e consomem álcool apresentam maior predisposição em desenvolver a doença.

Quais são os seus sintomas?

Variam de paciente para paciente os sintomas da psoríase, conforme o tipo da doença. Por esse motivo, para conseguir diagnosticá-la antes de consultar um dermatologista, preste atenção a sinais em todo o seu corpo. Alguns deles são:

  • feridas com pus;
  • coceira, queimação e dor;
  • inchaço e rigidez nas articulações;
  • manchas brancas ou escuras após as lesões;
  • unhas grossas, enrugadas ou até descoladas;
  • pele ressecada e rachada, podendo haver sangramento;
  • manchas vermelhas com escamas secas e esbranquiçadas.

Quais são os tipos de tratamento?

Por mais que a doença não tenha cura, há cuidados que diminuem e controlam os sintomas, melhorando bastante a qualidade de vida dos portadores da doença. Atualmente, alguns dos tratamentos disponíveis são fototerapia (banhos de luz), medicações tópicas (pomadas e cremes) e remédios injetáveis e orais.

Ao optar pelo tratamento ideal para cada caso, é preciso analisar alguns fatores, como idade e sexo do indivíduo, região onde se encontram as lesões e grau de gravidade da doença, etc, sendo preciso avaliar cada paciente. Hoje em dia, é sabido que a psoríase não afeta somente a pele. Muitas pessoas podem ter as articulações acometidas, sendo essencial que elas sejam diagnosticadas precocemente para dar início ao tratamento mais adequado.

Inclusive, alguns indivíduos com a doença apresentam mais chance de desenvolverem outras patologias, como diabetes, hipertensão arterial e obesidade. Logo, essas doenças afetam de forma direta o tipo de tratamento, para que seja feito o controle delas.

Portanto, agora que você sabe o que é psoríase, fica muito mais fácil se cuidar. É primordial que os pacientes comecem o tratamento precocemente para evitar que o quadro se agrave e melhorar a qualidade de vida do paciente. O fato é que com os tratamentos atualmente disponíveis, torna-se possível prevenir possíveis complicações e ter uma ótima qualidade de vida.

Curtiu nosso post? Conseguimos tirar suas dúvidas sobre psoríase? Então aproveite para assinar nossa newsletter e receber as atualizações em seu e-mail!

Banner Fale com um especialistaPowered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-